EMU - Nanoespectrofotômetro BioDrop

Equipamento Multiusuário (EMU) - Nanoespectrofotômetro BioDrop


O Plano para Gestão e Compartilhamento de Uso do Equipamento Multiusuário (EMU) - BD/IZ-APTA, vinculado ao Projeto FAPESP Proc. 2017/50339-5, foi elaborado considerando que o equipamento Nanoespectrofotômetro BioDrop (Biochrom BioDrop µLite Micro-Volume UV-VIS Spectrophotometer - standalone version, código 80-3006-51), concedido ao Instituto de Zootecnia – Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (IZ-APTA), irá integrar o laboratório do tipo “Open Facility” denominado Laboratório Multiusuário de Análises de Espectrometria no BioDrop (LMU-BD).

 

I. Plano de Gestão e compartilhamento

Objetiva-se com este Plano de Gestão e Compartilhamento de Uso do EMU, a racionalização do tempo e uso do equipamento, procurando atender a demanda qualificada de forma adequada dentro do estado da arte possibilitado pelo equipamento.

 

II. Comissão de usuários

Dra. Renata Helena Branco Arnandes (IZ-APTA)

Dr. Adibe Luiz Abdalla – (CENA-USP)

Dr. Gerson Barreto Mourão (ESALQ-USP)

 

III. Normas de utilização

III.1. Dos usuários do LMU-BD: Define-se como Usuários do LMU-BD o usuário proponente da proposta de pesquisa e o usuário operador.

Entende-se por usuário proponente:

·        pesquisadores doutores de instituições de ensino e pesquisa, institutos e centros de pesquisa públicos;

·        pesquisadores doutores de instituições de ensino e pesquisa, institutos e centros de pesquisa privados, desde que o proponente da proposta de pesquisa comprove que o projeto de pesquisa vinculado a proposta é financiado por instituições públicas de fomento à pesquisa;

·        pesquisadores doutores de instituições de ensino e pesquisa, institutos e centros de pesquisa privados que não atendam ao item anterior terão acesso as facilidades do LMU-BD via Secretaria do IZ-APTA.

III.2. Cabe ao usuário proponente apresentar a proposta de pesquisa a ser desenvolvida no LMU-BD bem como indicar os usuários operadores. Entende-se por usuário operador, pesquisadores doutores, alunos de pós-graduação e outros indicados pelo usuário proponente para realização dos experimentos. O usuário proponente é o responsável e responde pelo usuário operador. O usuário proponente poderá atuar como usuário operador da proposta.

III.3. Dos projetos a serem desenvolvidos no LMU-BD: Define-se como projeto apto a ser desenvolvido no LMU-BD exclusivamente projetos de domínio público, realizados por equipes de instituições públicas de pesquisa/ensino ou instituições privadas de pesquisa/ensino com projeto financiado por instituição pública de fomento.

III.4. Da submissão e análise das propostas para utilização da infraestrutura do LMU-BD. Define-se como Submissão de Proposta para utilização da infraestrutura do LMU-BD, o calendário de submissão, o cadastramento da proposta e o trâmite de análise da proposta. A submissão de proposta para o LMU-BD ocorrerá em processo de fluxo contínuo. O processo de submissão de Proposta de Pesquisa ao LMU-BD exclusivamente online compreende:

a) Cadastro do Usuário (proponente e operador);

b) Submissão da Proposta de Pesquisa a qual contempla como principais tópicos: detalhamento da proposta baseada no projeto de pesquisa, tipo de amostras a serem analisadas; descrição dos experimentos a serem realizados, tipo de preparação de amostras, tempo de utilização pretendido e período disponível para a realização das medidas.

A submissão da proposta deverá ser feita via e-mail: iz.biotecnologia@sp.gov.br

III.5. A submissão da Proposta compreende a viabilidade técnica e impacto da utilização da técnica solicitada para o desenvolvimento do projeto de pesquisa em desenvolvimento. A análise da proposta será realizada pelo Comitê Gestor, que emitirá um parecer baseado na análise da proposta por membros do Comitê Gestor e/ou especialistas, para suportar sua decisão. O resultado da análise do Comitê Gestor será comunicado ao proponente da proposta, exclusivamente por mensagem eletrônica. Tanto os usuários internos ao IZ-APTA quanto externos deverão seguir o procedimento de Submissão de Propostas para utilização do EMU-BD/IZ-APTA, que subsidiará os Relatórios de Uso do EMU como demonstrativo documentado da intensidade de utilização por parte de usuários externos e da própria Instituição Sede.

III.6. Quanto ao agendamento para a utilização do equipamento, os usuários internos e externos (após aprovação da proposta de utilização) farão a solicitação de agendamento por meio do e-mail (iz.biotecnologia@sp.gov.br), obedecido os critérios de reserva e tempo de equipamento concedido.

III.7. Da realização das medidas no EMU-BD/IZ-APTA: Definem-se como realização das medidas, as condições de viabilização para a realização das mesmas e as responsabilidades. As medidas só poderão ser realizadas pelo operador cadastrado pelo proponente quando da submissão da proposta de pesquisa. Tal critério se aplica tanto aos usuários internos quanto externos ao IZ-APTA.

As medidas serão realizadas exclusivamente pelo operador indicado pelo proponente, o qual receberá suporte e treinamento para operação do equipamento pelo técnico responsável pelo equipamento. Cabe ao proponente externo contemplado para utilização das facilidades do LMU-BD todo o ônus financeiro para viabilizar a realização dos experimentos (transporte, hospedagem, alimentação, reagentes e vidrarias específicas). O IZ-APTA não fornecerá qualquer suporte financeiro ao usuário externo. O IZ-APTA disponibilizará o Laboratório de Apoio ao Usuário equipado com infraestrutura básica para preparação de amostras: capela/fluxo laminar, pia, vidraria e demais itens de suporte básico e de uso cotidiano. Cabe ao usuário do LMU-BD a responsabilidade pelo uso correto dos equipamentos e manutenção das condições de ordem e organização da sala de equipamentos e do laboratório de apoio. Danos causados aos equipamentos por descuido, desleixo, uso inapropriado ou uso incorreto (após receber orientação do técnico responsável pelo equipamento) será de responsabilidade do proponente da proposta de pesquisa, o qual será notificado de sua responsabilidade quando do encaminhamento da concessão do uso do equipamento pelo Comitê Gestor.

III.8. Da contrapartida do usuário do LMU-BD: Define-se como contrapartida dos usuários das facilidades do LMU-BD:

a) expressar agradecimento a FAPESP/LMU-BD/IZ-APTA em qualquer divulgação científica (congressos, artigos científicos e outros) que constem resultados obtidos utilizando as facilidades do LMU-BD;

b) comunicar ao Comitê Gestor, fornecendo a referência bibliográfica completa de toda divulgação científica (congressos, artigos científicos e outros) que conste resultados obtidos utilizando as facilidades do LMU-BD.

 



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir